quarta-feira, 9 de dezembro de 2020

MAUÁ DA SERRA - Prefeito reeleito de Mauá nega denúncia de crime eleitoral

 

Assessores do prefeito reeleito de Mauá da Serra, que vai exercer o seu quarto mandato, Hermes Wicthoff, do PSD, que concorreu ao pleito eleitoral pela coligação "Mauá acima de tudo, Deus acima de todos", rechaçaram a denúncia que foi feita contra o chefe do poder executivo, alegando que ele teria promovido benefício ou promessa de emprego, como compra de votos ou apoio. A informação foi divulgada, após chegar ao conhecimento da imprensa regional, que o Ministério Público Eleitoral, comarca de Marilândia do Sul, promotor Carlos Frederico dos Gauranys Escocard de Azevedo, propôs   uma ação de Investigação Judicial Eleitoral por abuso de poder político. Segundo informações, foi apontado que uma candidata ao cargo de vereadora, de nome Fernanda Kinapp, do partido CIDADANIA, que era do grupo de Givanildo Lopes, o qual também foi candidato a prefeito, teria aceitado integrar a coligação vencedora, após receber uma promessa de emprego na prefeitura. Ela concorreu pelo PSD. Em resposta, ao Jornal Tribuna de Norte, Hermes negou as acusações: “Eu ainda não tive acesso ao documento, mas já soube do que se trata. Essa moça que é citada, trabalhou em um período curto na prefeitura, contratada através de uma frente de trabalho, não foi uma contratação pessoal. Além disso, o período em que ela esteve contratada por essa frente de trabalho na prefeitura, foi muito antes do período eleitoral. Ela estava no partido e decidiu sair como vereadora na nossa chapa por vontade própria, eu nunca pedi nada disso para ela. Meus advogados estão verificando o conteúdo do documento e já trabalham na defesa”, afirmou Wicthoff.


Nenhum comentário:

Postar um comentário