terça-feira, 29 de dezembro de 2020

Novas variantes do coronavírus vão aumentar internações e mortes

Agência europeia alerta para impacto no sistema de saúde nas próximas semanas; mutações elevam transmissibilidade

Internações devem aumentar com as novas cepas do novo coronavírus 

O ECDC (Centro Europeu para Prevenção e Controle de Doenças) afirmou nesta terça-feira (29) que as novas variantes do novo coronavírus representam um risco maior de disseminação da covid-19, principalmente entre idosos e pessoas com comorbidades, e que o impacto em hospitalizações e mortes "é avaliado como alto". 

A agência se refere a duas mutações do vírus, a VOC 202012/01, descoberta no Reino Unido, e a 501.V2, identificada na África do Sul. Segundo o órgão, a chance de propagação dessas mutações na União Europeia é alta. 

Leia também: UE comprará mais 100 milhões de doses de vacina Pfizer/BioNtech

Análises preliminares indicaram que as novas variantes elevaram a transmissibilidade do vírus, mas não foi registrado aumento da gravidade da infecção.

"Embora não haja informações de que as infecções por essas cepas sejam mais graves, devido ao aumento da transmissibilidade, o impacto da covid-19 em hospitalizações e mortes é avaliado como alto", informaram por meio de comunicado. 

"A probabilidade de aumento da circulação de qualquer cepa de SARS-CoV-2 é considerada elevada devido à época festiva e, ainda mais elevada, em países onde as novas variantes estão estabelecidas", frisaram, destacando o impacto dessa propagação nos sistemas de saúde nas próximas semanas. 

Saiba mais: Chile registra primeiro caso de mutação do coronavírus no país

Os vírus mudam constantemente devido a processos de evolução e adaptação e, portanto, o surgimento de novas variantes da SARS-CoV-2 era esperado, de acordo com a agência. 

"Algumas mutações ou combinações de mutações podem fornecer ao vírus uma vantagem seletiva, como maior transmissibilidade ou capacidade de anular a resposta imune do hospedeiro. Nesses casos, essas variantes podem aumentar o risco para a saúde humana e são consideradas variantes preocupantes", diz a nota.

Até sábado (26), o Reino Unido já registrava mais de 3 mil casos dessa nova variante, confirmados por sequenciamento do genoma, segundo o relatório. Os primeiros casos teriam surgido no final de setembro.

Na África do Sul, são mais de 300 casos. A variante foi observada pela primeira vez em outubro e agora é a forma dominante do vírus. noticias.r7.com

Nenhum comentário:

Postar um comentário